Nintendo 64 (N64) – Release Project Reality

Project Reality era o codinome do projeto que a Nintendo e parceiras desenvolviam em 1993 – que mais tarde seria conhecido como Ultra 64 – um salto para o patamar de consoles de 64bits; Uma resposta a Sony e principalmente a grande concorrente na época, SEGA.A surpresa é que seria 100Mbit cartuchos e não CD. A Nintendo optara por cartuchos, pois com estes a Nintendo continuaria lucrando, pelo alto custo na fabricação de cópias e não teria o TERRíVEL e Lento tempo de carregamento.

Em 1995 a Nintendo lançou no Japão versão experimental de Mario 64 (sucesso).

No dia 23 de junho de 1996, a Nintendo do Japão lançou o Nintendo 64 com muito atraso e grande expectativa por parte de público e crítica, o console foi lançado contando com apenas três jogos:

Na época deste lançamento a Nintendo estava no auge devido ao enorme sucesso obtido pelos consoles NES e Super NES. Estranhamente este sucesso foi identificado como o principal culpado para as baixas vendas do Nintendo64; pois a Nintendo numa atitude de ¨arrogância¨ e auto suficiência declarada deixava claro que não era necessário a colaboração de third-partys e que a própria empresa, juntamente com a Rare, faria o desenvolvimento dos principais jogos.

Dois anos mais tarde (1998), a expansão N64 Pack foi lançado, que acrescentou 4MB de memória RAM para permitir incluir maiores níveis e resoluções. Mas não alcançou a repercursão esperada, já que nesta época sua tecnologia (cartuchos) estava obsoleta e o custo da expansão pouco compensaria aos usuários. Esta mistura de atitude auto suficiente e as vendas pobres, prejudicou a imagem da Nintendo com os desenvolvedores e consumidores.

Todos os problemas causados pelas estratégias de negócios da Nintendo contribuiu para as vendas pobres do N64 nos Estados Unidos, e especialmente no Japão. Em termos de comparação o Nintendo 64 vendeu cerca de 33 milhões de unidades, em comparação com 100 milhões de Sony PlayStation.

Em dezembro de 1999 , a Nintendo ainda tenta salvar o console e lança mais um periférico, dessa vez, mais ousado do que uma simples expanção de memória, o Nintendo 64DD. O periférico era plugado ao N64 através da EXTension Port que ficava do lado inferior do console e permitia ao N64 usar discos magnéticos proprietários de 64 MB de capacidade para aumentar a capacidade de armazenamento de dados.A 64DD usa um processador de 32 bits para a ajudar a ler os discos magnéticos e a tranferir dados para o Nintendo 64. Pensava-se que seria a resposta da Nintendo ao CD usado pela PlayStation da Sony, que era mais barato produzir. Os discos da 64DD são regravaveis e têm uma capacidade de 64MB. Diferente do N64, o 64DD pode se iniciar por conta própria, sem a necessidade de ter um cartucho na entrada superior, por causa a existência de um menu de boot. Isso depois foi levado ao Nintendo GameCube, ao Nintendo DS, e ao Wii.

A história ensina que estes tipos de periférico, aqueles que são criados para corrigir uma defasagem de sistema, não fazem sucesso; assim foi com o Famicom Disk System, o abortado SNES CD, ou o Sega CD e 32X para o Mega Drive. Mas parece que a Nintendo ainda não havia aprendido a lição.E embora o 64DD tenha sido anunciado antes do lançamento do próprio N64, isso não ocorreu, pois como tudo que começa errado termina errado, o desenvolvimento do 64DD foi lento. Foi uma falha comercial e nunca foi lançado tanto nos EUA quanto na Europa. Como resultado, o 64DD teve suporte da Nintendo por pouco tempo e apenas 9 jogos foram lançados para ele. Boa parte dos jogos em desenvolvimento foram cancelados, lançados como jogos comuns de Nintendo 64, ou guardado para futuros projetos.

Mas, apesar de tudo, entre mortos e feridos o Nintendo 64 conquistou admiradores e teve alguns fogos bem inovadores, que mudaram conceitos e redefiniram padrões. E depois de uma era que viu nascer e florescer Mario e Cia, chegar ao 32bits e ouvir a voz do encanador mais famoso do mundo se apresentando na sala de sua casa e rodopiando em 3d era realmente compensador. Pena o Nintendo 64 ter se limitado a própria Nintendo.

Nintendo 64 um dos consoles mais aguardados de todos os tempos, se não for o mais aguardado; fez história, foi (ainda é) contestado pelas escolhas e postura da Nintendo e por sua questionável biblioteca. Ainda é assunto e sempre renderá boas discussões, mas antes de apedreja-lo experimente os jogos abaixo e perceberá que nem tudo foi perdido nesse mar de arrogância da Nintendo e maniqueismo da crítica especializada.

Descrição técnica:
CPU: 64-bit R4300i RISC (93.75MHz) / 64-bit caminhos de dados, registros, com 5-stage pipeline
Co-processador: 64-bit RISC (62.5MHZ)
RAM: 4MB (36MB) atualizável
Gráficos: Pixel Drawing Processor (RDP), construído em co-processador
Cores: 16,7 milhões (32.000 na tela)
Polígonos: 150.000 por segundo
Resolução: 640×480 pixels
Som: 16 a 24-canais 16-bit estéreo (até 100 canais PCM possível)

por: Ritinha


Ritinha Ratinha
Socio do Forum
Mensagens: 2004
RetroPontos: 1492
RetroReputação: 34
Data de inscrição: 20/07/2010

Anúncios
Esse post foi publicado em Análise de console, Velharias. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s